Andar de Bicicleta Ergométrica Emagrece Mesmo a Barriga?

624
Bicicleta ergometrica emagrece

Andar de bicicleta é uma atividade bastante eficiente para queimar as calorias a mais, mas e a bicicleta ergométrica?

Para saber tudo sobre o assunto, confira neste artigo: bicicleta ergométrica emagrece ou não e o que fazer a respeito para aproveitar todo o seu potencial?

Benefícios da Bicicleta Ergométrica

Benefícios da bicicleta ergometrica

Nem sempre as pessoas podem andar de bicicleta de maneira tradicional, sendo que esse se trata de um exercício que pode ser muito prazeroso, além de ajudar a perder peso e oferecer uma série de outras vantagens.

Mas não é por isso que você vai deixar de realizá-lo.

Mesmo em ambientes fechados é possível dar boas pedaladas com a bicicleta ergométrica, sendo que quem vai à academia costuma ter essa atividade incluída logo no início do treino.

Além de ajudar a emagrecer, as pedaladas melhoram o condicionamento físico.

E não são só as gordurinhas a mais que são eliminadas com a bicicleta ergométrica, já que outros benefícios do exercício estão no fato de ajudar a modelar as pernas e o bumbum.

Afinal, as pedaladas trabalham bastante essas partes do corpo.

Melhor treino com Bicicleta Ergométrica

treino-com-bicicleta-ergometrica

Mas basta sentar na bicicleta ergométrica e começar a pedalar?

Não é bem assim, é importante ter como base um treino eficiente para usar o aparelho, que torne mais rápida a queima das calorias.

Em academias, esse treino é orientado por profissionais que são experientes e qualificados.

Porém, hoje em dia, é comum que as pessoas tenham as suas próprias bicicletas ergométricas em casa para facilitar o seu uso.

Nesse caso, é importante se informar sobre o treino mais adequado.

Quem está começando a pedalar, mas já possui um nível de condicionamento físico razoável, mesmo assim deve começar pegando menos pesado até se adaptar bem.

Depois sim, pode aumentar a frequência do exercício e a sua intensidade, o que deve ser feito de maneira gradativa, a fim de evitar lesões.

Em um plano de treino de um mês, por exemplo, é possível variar o ritmo e a carga aos poucos, e perder até quatro quilos.

Para tanto, é preciso andar de bicicleta ergométrica quatro dias por semana e, claro, alimentar-se de forma adequada.

Ou seja, só as pedaladas não fazem você emagrecer, é fundamental seguir um cardápio equilibrado e saudável.

Além disso, outra dica é a de não fazer treinos contínuos, mas sim, começar pedalando devagar, depois aumentar o ritmo, reduzir de novo, pedalar mais rápido e assim sucessivamente.

Com isso, mais calorias são eliminadas porque se consegue pedalar mais.

Como definir o peso da Bicicleta Ergométrica

Para montar o treino adequado conforme as suas necessidades é importante saber o que significa cada um dos ajustes que a bicicleta ergométrica possui.

No caso do peso, é o que serve para deixar o trabalho muscular mais intenso.

Com isso, quanto mais pesada estiver a bicicleta, maior é o esforço que os músculos do bumbum e das pernas devem realizar.

No entanto, as cargas podem variar bastante conforme cada equipamento, embora o mais comum é que sejam medidas em uma escala de um a 10.

Assim:

De 1 a 3 – A carga é considerada baixa, sendo que ao pedalar com essa carga é bem provável que você nem percebe o trabalho muscular.

De 4 a 6 – A carga é considerada intermediária, quando você já começa a sentir o trabalho muscular.

De 7 a 10 – Acarga é alta e o trabalho muscular se torna muito intenso.

Como calcular a frequência cardíaca máxima

como-calcular-a-frequencia-cardiaca

Outro parâmetro importante para montar o seu treino com a bicicleta ergométrica é a frequência cardíaca, que muda de acordo com a intensidade das suas pedaladas. Esse número é mais um do aparelho que deve ser monitorado.

Assim, você evita um esforço que pode ser demasiado para a sua condição física.

E para saber qual é a sua frequência cardíaca máxima (FCM) é necessário realizar um cálculo, que consiste em subtrair a sua idade de 220.

Para iniciantes, o melhor é que a FCM seja de 65% a 70%.

Assim, quem tem 20 anos, por exemplo, deve fazer o seguinte cálculo: FCM: 220 – 20 = 200.

Depois, 200 x 0.65 (130) e 200 x 0.7 (140).

Isso quer dizer que a pessoa com 20 anos deve manter o batimento cardíaco entre 130 e 140 vezes por minuto.

Melhor intensidade para a Bicicleta Ergométrica

É importante saber ainda que, em geral:

65% da FCM – é um treino fácil, uma vez que não modifica a respiração, nem cansa as pernas, é como se fosse um passeio de bicicleta;

70% da FCM – trata-se de um treino moderado. Nesse caso, a respiração ainda é normal, porém, as pernas começam a sentir a resistência do pedal, saindo da zona de conforto;

75% da FCM – o treino se torna moderado alto, quando a respiração é quase ofegante e as pernas sentem a resistência do pedal. Aqui, o exercício pode começar a ficar levemente desconfortável;

80% da FCM – faz um treino forte, quando a respiração é ofegante, embora seja possível suportar o exercício e as pernas ficam levemente cansadas. Mas a sensação é de desconforto;

85% da FCM – o exercício é muito forte, a respiração é bem ofegante, as pernas ficam cansadas e a sensação é de que não dá para continuar.

90% da FCM – Um treino extenuante, a respiração é bastante ofegante. Além disso, as pernas já estão muito cansadas e você quer parar de pedalar.

Cuidados ao se exercitar com a Bicicleta Ergométrica

Mesmo sabendo qual o melhor treino para iniciar uma atividade física com a bicicleta ergométrica, é indicado ainda ter alguns cuidados.

Entre eles, os principais são os seguintes:

  1. Alongue bem os músculos, em especial, as pernas, antes e depois de pedalar, assim, as lesões são evitadas;
  2. Hidrate-se adequadamente, sendo que a dica é manter uma garrafinha de água sempre à mão e beber aos poucos;
  3. Vista-se adequadamente, com roupas leves para transpirar. Já o calçado deve ter um solado rígido para evitar dores depois das pedaladas.
Andar de Bicicleta Ergométrica Emagrece Mesmo a Barriga?
Avalie este post!
COMPARTILHAR